sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Dinâmicas da Natureza - As formas de relevo

As feições do relevo

Para falar sobre relevo, nós precisamos primeiro entender quais são as camadas internas no planeta Terra, e como elas se configuram, e produzem ou modificam este relevo.

A figura ao lado mostra as camadas internas da Terra, são elas: O Núcleo (que se divide em núcleo interno sólido e núcleo externo líquido), o Manto (que se divide em manto superior e manto inferior) e a Litosfera (ou Crosta Terrestre).

O núcleo produz a energia necessária para movimentar o manto, através de correntes de convecção. Esse manto é composto por uma mistura de minerais, denominada magma.  A Astenosfera, mostrada na imagem ao lado é uma camada do manto superior que é mais flexível e acima dela se localizam as Placas Tectônicas. As placas se movimentam sobre o magma da Astenosfera e esse movimento de placas é chamado de Deriva Continental. As placas se movimentam de três formas:

1.      Movimento Divergente: Quando duas placas se afastam uma da outra.

2.      Movimento Convergente: Quando duas placas se chocam.

3.      Movimento Transcorrente (ou Conservativo): Quando as placas deslizam lateralmente uma em relação à outra.

A Deriva Continental é um dos fatores que modificam a superfície terrestre e seu relevo. É por isso que precisamos entender a estrutura interna da Terra para compreender a dinâmica do seu relevo.

As formas de relevo da superfície terrestre são resultado da ação de Agentes Internos (ou Endógenos) e Agentes Externos (ou Exógenos).

Os agentes internos são conhecidos por criarem as feições de relevo originais e se relacionam com a pressão do magma do interior da Terra sobre as camadas mais superficiais. São três agentes internos principais: Tectonismo (movimento das placas); Vulcanismo (erupções vulcânicas); e Abalos Sísmicos (vibrações oriundas do interior da Terra). Todos os três agentes estão relacionados e ocorrem juntos, por que todos resultam da dinâmica interna da Terra, sendo que o vulcanismo é responsável pela formação das rochas ígneas ou vulcânicas. As principais formas de relevo criadas pelos agentes internos ou endógenos são as Dobras e as Falhas. As dobras ocorrem quando as forças do interior da Terra atuam em rochas mais elásticas, de forma horizontal. Já as falhas ocorrem quando rochas pouco plásticas sofrem ação de forças verticais.

Um exemplo de Falha é a Falha Geológica de Salvador, que a divide em cidade alta e cidade baixa. O Elevador Lacerda, atração turística da cidade, está localizado na Escarpa da Falha de Salvador.

Já os agentes externos são conhecidos por modificarem as feições de relevo já existentes. O que modifica o relevo são a ação erosiva e a ação intempérica, de agentes como a água, o vento e seres vivos. Quando a água penetra nas rochas e modifica sua composição química chamamos de intemperismo químico. Já quando a ação é provocada pelo vento, chamamos de intemperismo físico. E quando os seres vivos interferem nestas formas, chamamos de intemperismo biológico. Vale lembrar que as ações intempéricas e erosivas produzem sedimentos, que aos poucos vão sendo depositados em áreas mais rebaixadas, as chamadas Bacias Sedimentares.

Por isso os processos erosivos estarão sempre associados a processos de deposição (sedimentação), ou seja, os sedimentos carregados pelos agentes erosivos vão ser depositados em outra área.

Agora que já sabemos quais são os agentes que criam e modificam as feições do relevo, precisamos listar quais são estas principais feições:
·         Montanhas: São formas de relevo acidentadas, com altitudes elevadas em seus cumes. Ao seu redor, localizam-se vales profundos. As altitudes mais elevadas do planeta encontram-se nestas feições. E nelas a ação erosiva ocorre intensamente, principalmente pela ação dos ventos e da água (ou gelo). Um exemplo é a Cordilheira dos Andes, na América do Sul.

·         Planaltos: São conjuntos de terras de altitude elevada, com desníveis de altitude, onde os processos erosivos predominam. Uma das características importantes dessas feições é o seu potencial hidrelétrico, já que os cursos d’água escoam com maior facilidade, através de suas escarpas. Exemplo disso é a maior hidrelétrica do Brasil (em parceria com o Paraguai), a usina de Itaipu, que se localiza em região de planaltos. 

·         Planícies: São conjuntos de terras planas, com poucos desníveis, onde predominam os processos de sedimentação (deposição), ao contrário dos Planaltos. As áreas de planícies possuem potencial hidroviário, como ocorre na região amazônica, onde os rios constituem meio de transporte fundamental para a população. 

·         Depressões: São formas de relevo rebaixadas em relação às formas vizinhas.

Obs.: As palavras destacadas em negrito são palavras-chave para compreensão do assunto. Quem quiser entender um pouco mais, o caminho é entendê-las!

6 comentários:

  1. eu quero saber como o homen tranforma a natureza/relevo

    ResponderExcluir
  2. d+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

    ResponderExcluir